O Conhecimento dirige a prática, no entanto a prática aumenta o conhecimento (Thomas Fuller)
Compartilhar conhecimento prático está em nossa essência

FDC e Barros Soluções em Gestão realizam Ceará Gestão 2018

No dia 4 de dezembro, a Fundação Dom Cabral (FDC) realizou, em parceria com sua associada Barros Soluções em Gestão, o Ceará Gestão 2018 – Comitê de Presidentes. A 3ª edição do evento, promovido anualmente, reuniu mais de 500 empresários, executivos, diretores, presidentes e dirigentes de empresas cearenses de médio e grande porte, bem como gestores públicos.

A programação teve início com a palestra de Paulo Rocha, professor associado da Fundação Dom Cabral. Durante a palestra “Como colocar sua empresa nos novos trilhos”, ele abordou inovação, sucessão familiar e outros temas que são fundamentais para tirar as empresas do conformismo organizacional. Com as constantes mudanças, o novo pode assustar, e o professor enfatiza a importância das pessoas no processo de colocar a empresa nos trilhos. “O sucesso [das organizações] nada mais é que o equilíbrio entre a qualidade técnica e o comprometimento das pessoas”, conta.

Depois, o jornalista e ex-apresentador da TV Globo William Waack ministrou a palestra “E agora, Brasil? O que esperar do próximo governo”, na qual falou sobre as perspectivas gerais para o próximo mandato presidencial. Após fazer a contextualização da crise em que vivemos e comentar algumas escolhas do futuro presidente, como a do núcleo de economia, Waack afirmou que a governabilidade de Bolsonaro deve ser confrontada com o tamanho da crise que seu governo irá enfrentar. “Não vai haver lua de mel com esse governo. (…) Não vão ter os famosos cem dias nos quais as pessoas dão ao governo o benefício da dúvida. Isto é pra já. É agora, a cobrança já começou e vai ser cada vez mais forte”, finalizou.

Durante o Ceará Gestão 2018 também foi celebrado o aniversário de 15 anos de atuação da Barros Soluções em Gestão e de parceria com a Fundação Dom Cabral. A ocasião contou com a presença especial de parceiros da FDC: Antônio Batista, Roberto Sagot, Ricardo Langanke e Gustavo Camargo.

Desde sua primeira edição, o evento recebe doações que são destinadas a instituições parceiras. No Ceará Gestão 2018, mais de 390kg de alimentos foram arrecadados para a Associação Peter Pan, Edisca e o Lar Torres de Melo. Os participantes também puderam contribuir com doações em dinheiro diretamente com cada entidade.

Confira o vídeo com os melhores momentos do evento:

Fundação Dom Cabral e sua associada Barros Soluções em Gestão participam do Seminário Futura Trends 2018

O Seminário Futura Trends 2018, realizado pela Fundação Demócrito Rocha (FDR) e pelo Grupo de Comunicação O Povo, acontecerá a partir das 13h do dia 10 de agosto, no Teatro Rio Mar Fortaleza. O evento, que está em sua sétima edição, terá como tema central a Quarta Revolução Industrial ou Indústria 4.0, e contará com palestras de professores associados da Fundação Dom Cabral (FDC), por meio de parceria com sua associada Barros Soluções em Gestão.

A palestra Humankind Dilemma In The Age Of Knowledge, do professor e palestrante internacional Subi Rangan (FDC), terá tradução simultânea. Ele abordará assuntos como o papel do líder na Era Digital, o lado humano da inovação, humanidade vs. tecnologia e liderança 3D.

O professor Paulo Vicente, da FDC, ministrará a palestra A Revolução Tecnológica. Temas como a análise dos ciclos de Kondratieff e das novas tecnologias 4.0, transformação digital, novas fontes de energia, tecnologia espacial e Human Enhancement Technologies (HET) serão expostos nesse momento.

Além das palestras, o evento contará com painéis de discussão temáticos com convidados especiais. Um dos painéis será composto por Valdemar Barros, professor associado da FDC e diretor da Barros Soluções em Gestão.

Confira a programação completa

13h: Credenciamento
13h40: Abertura com Nazareno Albuquerque
13h50: Palestra de Honra com Prof. Subi Rangan (Fundação Dom Cabral). Tema: Humankind Dilemma In The Age Of Knowledge (com tradução simultânea)
15h: Palestra com Prof. Cesar Sanson. Tema: Quarta Revolução Industrial; Impactos da Reestruturação Produtiva no Contexto Pós-Industrial. Para Onde Apontam as Megatendências; Impactos no Modo de Produzir e Viver
15h40: Painel de Discussão com Prof. Marília Marinho (Faculdade CDL) e Ari Neto (SAS)
16h: Coffee break e autógrafos
16h20: Sorteios
16h30: Palestra com Prof. Paulo Vicente dos Santos (Fundação Dom Cabral). Tema: A Revolução Tecnológica
17h25: Painel de Discussão com Prof. Tarcísio Pequeno e Prof Cláudio Ricardo (Fundação Citinova)
17h40: Palestra com Prof. Regiane Relva Romano. Tema: Tendências Globais e Impactos Tecnológicos no Futuro dos Negócios: 17 Tecnologias Que Irão impactar as Relações no Mercado de Consumo
18h: Painel de Discussão com Joana Ramalho (Mercadinhos São Luiz) e Valdemar Barros (Fundação Dom Cabral)
18h20: Palestra com Miguel Fonseca (vice-presidente executivo da Toyota do Brasil e Coordenador de Vendas para América Latina e Caribe). Tema: O Futuro do Transporte Individual e as Projeções para o Brasil. Moderador: Jornalista Jocélio Leal, editor-chefe de Economia e Negócios do O POVO
19h30: Encerramento

 

Para mais informações sobre o Seminário Futura Trends, clique aqui.

Ambientes Econômicos e Arquitetura Organizacional é tema do II Comitê de Presidentes e Grupo de Dirigentes PAEX 2018

A Fundação Dom Cabral (FDC) e sua associada Barros Soluções em Gestão realizaram o II Comitê de Presidentes e Grupos de Dirigentes PAEX 2018. O encontro aconteceu nos dias 14 e 15 de junho em Fortaleza – CE e no dia 4 de junho em Natal – RN, e reuniu executivos e gestores de empresas de médio porte para falar sobre ambientes econômicos e arquitetura organizacional. O evento faz parte da agenda anual do Programa Parceiros para a Excelência – PAEX.

Gilmar Mendes, professor associado da FDC e doutor em Economia e Administração de Empresas pela Universidad de Valladolid (Espanha), foi convidado para falar sobre os temas. O diálogo teve início com a contextualização e ressignificação históricas das evoluções que ocorreram mundialmente, ao longo dos anos, no âmbito econômico. Para o palestrante, essa etapa é extremamente importante, pois o ambiente em que vivemos no presente é consequência dessas transformações. “Ninguém pensa o futuro sem o passado”, completa.

O que é ambiente V.U.C.A.?

O atual ambiente de negócios enfrentado pelos empresários é chamado V.U.C.A., acrônimo em inglês que representa quatro aspectos: volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade.

  • Volatilidade: as constantes mudanças que decorrem da sociedade dinâmica e veloz em que vivemos tornam o ambiente mutável, o que gera incerteza.
  • Incerteza: diferente do risco, a incerteza não pode ser calculada. Em um ambiente de incerteza, perde-se a possibilidade de controlar variáveis.
  • Complexidade: corresponde às inúmeras variáveis que afetam a nossa economia e que devem ser levadas em consideração.
  • Ambiguidade: gerada por variáveis incertas em relação ao significado, à causa e às circunstâncias dos acontecimentos.

Segurança institucional

Estabilizar esse ambiente para prover investimentos é, segundo o professor, o maior desafio das empresas brasileiras. Esse é o propósito da segurança institucional, provida por instituições que se movimentam para criar um ambiente de negócios mais estável, com baixos impostos, baixos custos de transação e produção, liberdade para os mercados funcionarem, segurança jurídica e direito de propriedade. “Somente com regras do jogo claras, definidas e que não mudem a toda hora é que o empresário vai entender que tem certa segurança para fazer o investimento”, conta Gilmar. Esses investimentos irão proporcionar crescimento econômico e gerar o chamado círculo virtuoso da economia. “Ao crescer renda, estimula-se mais o consumo, e o estímulo de consumo produz mais investimentos”, explica.

segurança institucional

O papel da arquitetura organizacional

Considerando todos os fatores abordados, a arquitetura organizacional torna-se imprescindível para que empresas possam tornar-se mais competitivas no atual momento, desenhando a organização para aproveitar o ambiente de negócio desfavorável. Isso significa fazer ter uma estrutura organizacional clara e consistente, ter processos, objetivos, metas e indicadores bem definidos, e dispor de patrimônio humano para realizar os projetos.