O Conhecimento dirige a prática, no entanto a prática aumenta o conhecimento (Thomas Fuller)
Compartilhar conhecimento prático está em nossa essência

Liderança 4.0 para a era da transformação digital

O mundo mudou consideravelmente e em pouquíssimo tempo, no que se refere às pessoas, seus comportamentos, necessidades, estilos de vida, competências, capacitação e forma de trabalhar e se relacionar.

Não se adaptar às estas mudanças é caminhar para o fracasso. Afinal, a quarta revolução industrial chegou exigindo que todos saiam da sua zona de conforto e pensem fora da caixa. Não há para onde correr.

É necessário que, nesta situação, os líderes se preparem para um futuro ainda mais diferente, inovador e cheio de novos modelos de negócios, que podem trazer desafios que irão superar todos os que já foram vividos, falando dos principais pilares: pessoas, processos e tecnologia.

Neste sentido, surge a liderança 4.0. Uma nova forma de liderar, emocionalmente inteligente e disposta a estimular a inovação dos times, capacitar em vez de comandar e caminhar movido pela empatia e não pelo ego. Continue lendo e entenda mais.

Mas antes, o que é a liderança 4.0?

A liderança 4.0 é responsável por conduzir colaboradores em um ritmo ditado pelas

mudanças do mercado, muitas vezes baseadas em novas tecnologias.

Ela deve estar preparada para lidar com a:

  • agilidade das informações;
  • divergências comportamentais;
  • pressão mercadológica;
  • focando resultados por meio das pessoas;
  • potencializando-as;
  • compreendendo e investindo nas equipes.

Ao mesmo tempo, a liderança deve lidar com as transformações estratégicas e operacionais e construir bons relacionamentos com os colaboradores, baseados na cultura organizacional, estrutura de trabalho e valores da empresa.

A humanização das relações é um pilar muito importante da liderança 4.0, bem como o desenvolvimento das aptidões de cada colaborador e da equipe.

É importante que o líder esteja preparado para navegar entre todas as diferentes gerações, que estão buscando maiores desafios, autonomia e responsabilidades, sendo movidos por um propósito.

Isso significa construir uma cultura organizacional que substitua o modelo de gestão tradicional, que é marcado por hierarquia, padronização e controle.

A nova liderança assegura uma gestão mais compartilhada, hiperconectada, relacional, inovadora e com a habilidade de extrair o melhor das pessoas que, mesmo não tendo as respostas, sabem onde buscá-las ao conectarem pessoas e assuntos relacionados.

Além disso, é importante destacar que na liderança 4.0, o líder tem que ser o protagonista do processo. É papel dele ter uma visão clara dos objetivos da equipe, alinhando-os consistentemente com a missão, visão e valores da empresa em sua gestão estratégica, comunicando de forma transparente a todas as equipes.

Habilidades essenciais para se tornar uma liderança 4.0

  • Senso de Propósito: ter total clareza da missão, da visão e dos valores da organização, com postura e papel multifuncional;
  • Inteligência Emocional: ter maturidade, resiliência e empatia ao lidar com outras pessoas;
  • Saber lidar com as diferenças: é importante compreender a diversidade, as culturas e habilidades interpessoais. Lembre-se que todas as pessoas são diferentes, aprendem de maneira diferente, se comunicam de maneira diferente. É importante saber lidar e não obrigar as pessoas a serem o que não são;
  • Agilidade de Aprendizagem e Compreensão: aprenda a atualizar-se rapidamente, transformando experiências e conhecimentos em soluções;
  • Colaboração e compartilhamento de informações: a hierarquia não é mais a sustentação da relação. O compartilhamento permite a tomada de decisão rápida, com maior fluidez na comunicação e divisão na tomada de risco;
  • Ferramentas: deixe de vê-las como as principais soluções para um problema, mas sim como um método;
  • Transparência nas ações: o diálogo aberto e sincero é fundamental para um bom clima organizacional baseado na confiança, o que melhora bastante o desempenho da equipe;
  • Focado em Pessoas: manter as equipes engajadas, desenvolver talentos, saber ouvir, comunicar-se, motivar, dar feedbacks constantes, tratar erros e acertos como processo de aprendizagem para alcançar resultados melhores e gerenciar conflitos. Em resumo, é isso que é focar em pessoas;
  • Foco na inovação: incentive as habilidades individuais, para que exista maior criatividade e identificação de oportunidades, com aprendizados constantes;
  • Protagonismo: lidar com a vulnerabilidade. Afinal, mostrar que é vulnerável não é sinal de fraqueza e, sim, de ser humano;
  • Planejamento e Estratégia: pense em como as metas serão atingidas a partir da consciência coletiva.

Mindsets que impedem o desenvolvimento de uma liderança 4.0

Em um mundo 4.0, manter o mesmo pensamento retrógrado de antes é a ação principal para manter a organização em um mesmo patamar, sem crescimento, sem inovação, e possivelmente, caminhando para o fracasso.

Confira quais são os mindsets que impedem o desenvolvimento de uma liderança 4.0:

  • priorizar métodos antigos, hierarquia e controle: sendo necessário passar por várias pessoas para aprovar atividades pequenas e atuar com processos engessados e sem o auxílio da tecnologia;
  • ignorar que a transformação digital precisa acontecer de maneira top down: é importante adotar a digitalização para manter-se competitivo, gerar consciência coletiva e trabalhar o modelo botton-up;
  • não investir em treinamento dos colaboradores: é importante para que eles saibam como usar corretamente as novas tecnologias e aumentar o senso de pertencimento;
  • esquecer de vivenciar as transformações e aceitar as inovações: é interessante promover atividades para contagiar o time, estimulando e desafiando novas atividades;
  • considerar a transformação digital uma ameaça: isso inclui boicotar as ideias de colaboradores e líderes e iniciativas de digitalização, contaminando negativamente a equipe;
  • pensar que a tecnologia vai suprir a necessidade humana: lembre-se que a tecnologia agiliza os processos, para aumentar o tempo para atividades estratégicas;
  • não ter atenção para a maneira como os líderes estão se comunicando com os colaboradores e enxergando as mudanças.

Gostou deste conteúdo? Continue lendo no blog da Barros e confira o artigo Sobreviver e liderar na transformação digital. Boa leitura!

shares